O Projeto “Cartografando a qualidade dos Serviços DST/Aids do Município de São Paulo” tem por objetivos trazer à sociedade a avaliação dos serviços de assistência às DST/HIV/Aids feita em oficinas pelos usuários de um determinado serviço especializado.

A cartografia social é uma metodologia de análise da realidade. Temos a cartografia oficial e a social. A oficial é aquela dos mapas feitos pelos cartógrafos. A cartografia social identifica no mesmo território – ou no delimitado –, realidades vividas que não aparecem na cartografia oficial por meio das narrativas, por meio da análise daquelas pessoas que vivem naquele espaço territorial.

A cartografia social é capaz de identificar o que a cartografia oficial não consegue. Há exemplos de espaços urbanos de convívio comunitário que a cartografia oficial não alcança. Agora, como a gente faria esta cartografia na perspectiva da luta contra a aids? Cartografando a qualidade dos serviços. Mapeamos os serviços de assistência às DST/Aids do Município, os usuários deste serviços e, por meio das oficinas de cartografia social, estes usuários narram como é a percepção da qualidade do atendimento do serviço.

O projeto foi dividido por Coordenadoria Regional de Saúde. O Projeto Bem-Me-Quer (PBMQ) ficou responsável pela execução no primeiro ano [e os serviços da Rede Municipal Especializada (RME) da regiões norte e centro-oeste], e o GIV – Grupo de Incentivo à Vida, no segundo ano [e os serviços das regiões sul, sudeste e leste]. No terceiro e quarto anos – projeto atual –, os serviços são avaliados com oficinas coordenadas pelo GIV – Grupo de Incentivo à Vida e pelo Grupo Pela Vidda/SP (em 2019).

As atividades consistem de oficinas mensais com usuários dos serviços, que relatam os acontecimentos ao longo de seus tratamentos ambulatorial, de internação ou de agravo.

A novidade do projeto é a modalidade nova de controle social, diferenciada, porque está na perspectiva do usuário que normalmente não tem voz e que raramente participa de um conselho gestor, quando este existe. A novidade é dar voz a quem normalmente não a tem no ambulatório. Essa é uma das primeiras novidades: o controle social por meio do usuário do serviço. Ele não dá recado, ele conta o que vive. Ele não fala para os ativistas, ele tem um espaço para contar o que sente e o que ele vive no serviço.

A plataforma é o desdobramento tecnológico do projeto. O Google Maps [veja em http://bit.ly/cartografandoSP] é usado para fazer o georreferenciamento digital dos serviços, que dá visibilidade universal, porque é uma plataforma pública na internet, o que é o grande diferencial. A plataforma online dá visibilidade aos relatos, às narrativas dos usuários. O georreferenciamento identifica e classifica os serviços pelos relatos. No caso do Programa Municipal, ele pode fazer a qualquer tempo a análise de toda a rede municipal especializada, desde que pelo menos um usuário de um serviço tenha participado de uma oficina e feito uma avaliação, porque certamente estará lá.

Clique aqui para baixar a apresentação em slides do nosso projeto.

 

Veja algumas publicações relacionadas:



Foaesp participa de reunião em Lisboa
Publicado em: 25/11/2019 às 09:36h

O presidente do Foaesp. Rodrigo Pinheiro, e a coordenadora do projeto Cartografando Lucrécia Lopes participam até sexta-feira (29/11) de um seminário,em Lisboa capital de Portugal, sobre  desafios para o  advocacy no  acesso ao tratamento para a Aids e hepatites virai, nos países de língua portuguesa.

A convite da  Coalition...

Leia Mais



Projeto Cartografando lança questionário virtual
Publicado em: 27/05/2019 às 13:10h

Com o o objetivo de construir, a partir da vivência e percepções dos usuários do SUS, um retrato da qualidade dos serviços de saúde especializados em IST/Aids, o projeto Cartografando quer saber mais sobre o atendimento na rede especializada em São Paulo.

Agora, além das oficinas realizadas, os usuários podem também...

Leia Mais



Oficina Projeto Cartografando - Novos relatos
Publicado em: 21/05/2019 às 11:27h

Captamos novos relatos de usuários.

A todos vocês que acompanham de perto nosso trabalho no projeto de Cartografia Social, dá uma espiadinha lá na plataforma que já tem novidades no ar...

É sóLeia Mais



SEMINÁRIO CARTOGRAFANDO
Publicado em: 16/03/2019 às 10:57h

Após a apresentação dos resultados do projeto o advogado Dimitri Sales, presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), falou sobre a importância do trabalho desenvolvido pelo Cartografando, como fonte de dados a serem usados inclusive para possíveis demandas junto ao Ministério Público. Também destacou a...

Leia Mais



Projeto Cartografando realiza oficina
Publicado em: 07/03/2019 às 10:28h

Nos dias de 26 e 28 de fevereiro o Projeto Cartografando promoveu encontros para usuários do SUS, debatendo racismo institucional, diversidade sexual e homofobia , direitos dos usuários em sua primeira oficina de Cartografia Social este ano.

O objetivo deste encontros é ampliar o entendimento dos usuários sobre seus direitos, deveres e debater o acompanham...

Leia Mais



Atividades do Projeto Cartografia Social em 2019
Publicado em: 13/02/2019 às 20:56h

A primeira oficina deste ano do projeto Projeto “Cartografando a qualidade dos Serviços DST/Aids do Município de São Paulo” aconteceu ontem (12/02) na sede do Grupo Pela Vidda/SP, discutido importância do Georeferenciamento e do uso da Cartografia Social, como instrumentos de coleta de dados concretos da realidade vivida pelas PVHA .

Foi apresen...

Leia Mais



Projeto “Cartografando...” dá voz e visibilidade a PVHA usuárias dos serviços especializados em SP
Publicado em: 30/01/2019 às 17:36h

Para divulgar preliminarmente os resultados construídos pelo projeto “Cartografando a Qualidade dos Serviços DST/Aids do Município de São Paulo”, a equipe do projeto preparou um resumo suscinto das atividades desenvolvidas e coordenadas pelo GIV – Grupo de Incentivo à Vida no ano de 2018 e aquelas que, neste quarto ano de execuç&atild...

Leia Mais